quinta-feira, 22 de março de 2012

Alegoria Imanente

No falso toque entre dois corpos amantes
Na vã sinceridade frente ao olhar do amigo
No arrastado caminhar dos poetas errantes
No amor e ódio do homem para consigo...

Nas flores que desabrocham sob o arrebol
No olhar vazio da derradeira despedida
Na comunhão de todos os mistérios, a vida
Revela-se reflexo da magnificência do Sol...

O universo, projeção paupável do inconsciente
Todas as cores e formas - vil ilusão imanete
- Quadro psicótico. Um brado à esquizofrenia!

Escrevo pra ninguém - sou o poeta e os leitores
Invento ruas, lares, bares, amigos e amores
Sou o inventor da vida e de toda sua alegoria...
                                                          (Rafael de Oliveira)

terça-feira, 6 de março de 2012

Grito Mudo!

                    Um porco fardado
               Uma ruela sinuosa
          Um João ninguém...
 
 
Um Porco corrupto
Pseudoimpoluto
Subproduto
Um Bruto
O inculto.
 
Um vulto.
O insulto.
- O surto
Abrupto -
Um tumulto
Ininterrupto
E num minuto
Um tiro mudo
Sustenido agudo.

Um instante curto
Jaz qualquer oculto
Vala comum. Sepulto.
...
 
Armaram a incultura
Fizeram Deus a criatura
Deram-lhe o direito de matar!
 
Muna-se pois a contraproposta
Desata-se desta estupidez imposta
Reivindica o seu direito de questionar!
                                      (Rafael de Oliveira)

segunda-feira, 5 de março de 2012

Instinto Animal

                              Instinto obsessivo
 
Do canto da rua. O olhar apreensivo...
Reina soberano unico impulso: - Mata! -
O mais íntimo instinto. Puro e obsessivo
Ardor divino. Intrínseco desejo psicopata

Temente à vergonha da tortura
- Passar de predador à presa -
"Ser a vítima de alheia loucura
Ser o banquete posto a mesa!"
 
Fazer-me a caça e não o caçador
- Ofensa inadimissível para mim -
E por saber não suportar esta dor
Caçarei meus semelhantes até o fim.
 
Um passo sempre a frente, previnido
Vasculharei as mentes em busca do mal
Dois animais. Um vencedor, um abatido
O cheiro do assassínio - Instinto animal

E por mais que procure com tanto zelo
Uma verdade aponta em minha mente
Estando eu, em meio a toda esta gente
Pergunto: - Quem não poderia fazê-lo?
                                            (Rafael de Oliveira)