terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Nuvem de Poeira

Uma nuvem desliza em minhas mãos
Cinza. Provoca-me um sorriso demoníaco
Reluzente reflexo de um Deus maníaco

- O eterno meditar dos velhos anciãos -


Trombetas de um longínquo futuro
Que há muito perdeu-se no passado
- O céu, carregado, fez-se escuro
E todo coração humano, arrancado -



Surto pscicótico ou graça divina?!
Na morte - encontro de toda esquina
A loucura, verdade absoluta, faz morada



... Tal qual o apóstolo do Apocalipse
O Sol a render-se à Lua, o eclipse...
- Surto de Deus. A vida em sua alvorada -
                                             (Rafael de Oliveira)

Nenhum comentário:

Postar um comentário