segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Meu Eterno Pesar

- A minha cabeça gira e pesa
Pensamentos não se formam
O pesar eterno que me lesa
Cores e formas que deformam -
 
Atordoantes facadas encravadas
Na extensão do meu córtex frontal
Dor, náuseas... Sucessivas pontadas
Sujeitam-me a um labor infernal

O fardo da vida aperta minha cabeça
Assegura-se para que eu não esqueça
De que meu corpo está morrendo...

Choram os olhos, atrofiam os membros
Eu, já cansado de contar dezembros,
Sorrio cínico, estou enlouquecendo...
                                       (Rafael de Oliveira)