quinta-feira, 21 de outubro de 2010

A Inocência do Romantismo

Uma vez que tenhas andado pelo vale sombrio
Experimentado o sofrimento, o escuro e o frio.
Jamais poderás compadecer da tua triste figura
Pois habitaste na razão, na realidade fática e pura.

Mas se tiveres provado um instante de alegria
Experimentado o calor do abraço em noite fria
Desejarás profunda e verdadeiramente o abismo
Morrerás e levarás contigo a inocência do romantismo

4 comentários:

  1. "A meta da vida não é a perfeição, mas o eterno processo de aperfeiçoamento, amadurecimento, refinamento..."(John Dewey)
    Parabéns! "Eu"

    ResponderExcluir
  2. acabei por ler todas poesias postadas aqui e tenho que dizer que, além da semelhança com o grande augusto dos anjos, li muita sinceridade e necessidade de escrever. sinceramente, espero ler tudo isso, um dia, em preto e no branco.

    ResponderExcluir
  3. Caramba lindo poema!

    Seus sonetos são muito bonitos também, você tem um ritmo muito legal.

    Parabéns.

    Se quiser visitar meu blog:
    http://fotosdepalavras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Não encontrei palavras para expressar meu entendimento sobre este poema, mas sinceramente te digo que adorei.

    ResponderExcluir